Central de atendimento 24h:
4020 2518

Por que doar sangue? O que é, como funciona e quem recebe a minha doação de sangue?

 Garantir a qualidade de vida para pessoas que nascem ou desenvolvem doenças cuja solução, ou alívio, se encontra na doação de sangue é dever de todos, uma vez que a imensa maioria das pessoas saudáveis está apta a doar e salvar vidas. Para além do âmbito médico, existe a necessidade de transfusão para vítimas de qualquer tipo de acidente e para situações emergenciais. Nesse artigo, abordaremos essas questões e a problemática envolvida. Aproveite e boa leitura!

Pessoa com emplastro no braço.

Quando sofremos um acidente ou corte profundo, a perda de sangue pode gerar muitas complicações, e em casos mais graves, inclusive levar à morte. Logo, fazer a doação de sangue é de suma importância nessas situações e pode significar uma nova vida para a pessoa necessitada.

Para essas ações emergenciais e também para o tratamento de doenças diversas é necessário passar por transfusões de sangue, que são, em suma, a reposição do sangue que falta em nosso corpo ou que não produzimos com eficiência.

Há uma infinidade de situações, no cotidiano moderno, que nos põe em perigo ou mesmo leva a problemas de saúde, então, pensar nessa questão é importante e precisa acontecer com frequência.

Assim, para te ajudar a entender melhor sobre a doação de sangue, neste artigo abordaremos as problemáticas envolvidas nesse ato e como ele se dá, ou seja: quem precisa de doação de sangue e quem são as pessoas que podem doar? 

Ao fundo temos uma família feliz, e a descrição de cada um dos Benefícios sociais, e a quantidade de conveniados.

Além disso, esclarecemos como ela funciona e dicas para doar o seu. Aproveite o conteúdo e ajude o próximo! Você pode ter uma leitura interessante também aqui: O que é seguro decesso e como funciona?

O que é doação de sangue?

Quando, por motivos de ordens diversas, nosso corpo não possui a quantidade de sangue suficiente, precisamos receber a “dose faltante” e isso caracteriza uma doação de sangue.

Isso também pode acontecer quando há deficiência na produção ou manutenção de elementos específicos do sangue.

O cientista que abriu caminho para que hoje tivéssemos tanto conhecimento sobre o funcionamento do sangue e os seus tipos foi o austríaco Karl Landsteiner, em 1868, em Viena.

Antes dele, o conhecimento sobre como o corpo precisava do sangue e como essa relação funcionava era escasso e permeado de suposições. 

Então, muitas vidas foram perdidas até que pudemos perceber o seu funcionamento e a sua essência para o funcionamento do corpo.

A necessidade da doação de sangue pode surgir de diversas situações, tais como: 

  • Enfermidades coagulopatias (doenças que impedem ou modificam a forma como a coagulação ocorre)
  • Doenças hereditárias e congênitas que necessitam de tratamentos constantes;
  • Acidentes graves;
  • Situações de emergência.

Não apenas no Brasil, mas em qualquer parte do mundo, esse ato é extremamente importante, pois abrange a necessidade de acidentados e pessoas com doenças que precisam de tratamento hemoterápico.

Existe uma lista de coagulopatias catalogadas pelo sistema público de saúde para o tratamento dos pacientes, algumas delas são: 

  • Hemofilia A; 
  • Hemofilia B 
  • Doença de von Willebrand; 
  • Coagulopatias raras; 
  • e transtornos hemorrágicos.

Em seções mais adiante falaremos sobre elas.

Para salvar vidas e para garantir a qualidade de vida de muitas outras pessoas, a doação de sangue é importante, além de ser extremamente simples.

A doação pode ser feita a cada três meses (para mulheres) e dois meses (para homens)

Cada coleta garante que até quatro vidas sejam salvas e, por ser uma ação que não demanda esforços ou sacrifícios, pode ser realizada com frequência, como você verá abaixo. Acompanhe!

4
Ilustração vetorizada, pessoas doando sangue.

Quem pode doar sangue?

Já falamos sobre a importância da doação e isso deveria ser o bastante para convencer qualquer um a doar, porém, existem requisitos para isso e nós listamos eles abaixo:

  • Estar em boas condições de saúde, em repouso mínimo de seis horas e ter feito uma refeição nas últimas três horas sem alimentos gordurosos; não possuir nenhuma doença crônica do tipo cardíaca, vascular, renal ou reumática;
  • Não ter ingerido bebidas alcoólicas nas últimas 12 horas;
  • Não ter tido câncer;
  • Não ter tido gripe ou febre nos últimos 15 dias;
  • Não ter feito nenhum procedimento endoscópico nos últimos seis meses;
  • Não estar grávida, ter tido aborto ou parto há menos de três meses, ou estar amamentando.

Condições

  • Não ter feito tatuagem ou piercing há menos de 12 meses;
  • Não ter fator de risco, antecedentes ou infecções atuais por agentes transmitidos pelo sangue;
  • Não ter viajado para regiões endêmicas para malária, zika, chikungunya, dengue e febre-amarela e não ter residido por mais de três anos na Europa, devido ao risco de Creutzfeldt-Jakob (doença da vaca louca);
  • Não ter recebido transfusão há menos de um ano;
  • Idade: entre 18 e 60 anos;
  • Peso: acima de 50 quilos;

Quando a doação de sangue é feita, retira-se 450 ml do doador, no máximo. O ser humano adulto, no geral, possui 5 litros.

Cuidados após a doação de sangue

Considerando que existe uma perda repentina de sangue e o seu corpo ainda precisa se acostumar, existem algumas recomendações pós-doação de sangue, veja abaixo o que você deve fazer:

  • Permanecer no Banco de Sangue por mais 15 minutos para evitar que você se sinta mal com a doação;
  • Manter o curativo por pelo menos 4 horas;
  • Não ingerir bebidas alcoólicas;
  • Não fumar por 02 horas;
  • Evitar esforço físico por 12 horas, especialmente com o braço utilizado para doação;
  • Beber bastante líquido;
  • Se for dirigir veículo automotor ou ser transportado em motocicleta, parar imediatamente o veículo em caso de mal-estar.

Leia algo interessante aqui: 7 coisas para fazer antes de morrer que você não deve deixar para trás.

Quem precisa das doações de sangue?

Anualmente, o SUS cataloga as coagulopatias e a porcentagem de tratamento efetivado em cada unidade da federação, mas existem outros que necessitam da transfusão com certa periodicidade. Listamos abaixo esses recebedores.

Portadores de coagulopatias

Aqueles cujo processo de coagulação sanguínea é comprometido ou ausente, sofrendo com sangramentos frequentes. Esses problemas podem ou não ser de ordem hereditária.

Hemofilia A e Hemofilia B

Esse tipo de problema pode causar hemorragias internas, já que a coagulação do sangue não acontece normalmente, mas também envolve a presença de sangue na urina e dores nas juntas.

Doença de von Willebrand

Envolve o sangramento do nariz de maneira constante ou intensa, manchas pelo corpo, sangramentos prolongados e nas gengivas, sangramento interno e risco durante cirurgias, já que o sangramento acontece com maior intensidade e facilidade.

Anemia falciforme

Os glóbulos vermelhos se quebram e se deformam, essa doença geralmente traz desidratação, falta de ar e fadiga com ela. Não tem cura e pode influenciar enormemente a vida do portador.

Casos graves de Talassemia

De ordem genética, essa doença afeta o crescimento e o oxigênio transportado no sangue. O portador pode ter fraqueza, fadiga e outros sintomas que afetam enormemente sua interação.

Cirurgias, partos e traumatismos

Nesses casos, em que o paciente está sob um risco maior de sofrer hemorragias, a transfusão pode se fazer necessária como recurso emergencial.

Tanto num parto difícil, onde a passagem não está liberada e a mãe não tem força suficiente, quanto em uma cirurgia complexa, é necessário ter disponível o material para transfusão de sangue.

Você pode ler algo interessante aqui: Medo da morte: Conheça a sua construção histórica e saiba como superá-lo.

Quem doa para quem?

Falamos que a doação não é tão simples quanto pensar que qualquer sangue basta, porque há uma linha de compatibilidade entre cada fator.

Chamamos fator Rh e, comumente, é conhecido como “tipo sanguíneo”. É a classificação do nosso sangue, sendo que os Rh negativos são os mais raros, compreendendo 15%.

Abaixo a relação de compatibilidade.

Rh Positivo

  • A+ doa para A+ e AB+ e recebe doação de A+, A-, O+ e O-;
  • B+ doa para B+ e AB+ e recebe doação de B+, B-, O+ e O-;
  • O+ doa para O+, A+, B+, AB+ e recebe doação de O+ e O-;
  • AB+ doa para AB+ AB+ e recebe doação de A+, B+, O+, AB+, A-, B-, O- e AB-;

Rh Negativo

  • A- doa para A+, AB+, A-, AB- e recebe doação de A- e O-;
  • B- doa para B+, AB+, B-, AB- e recebe doação de B- e O-;
  • O- doa para O+, A+, B+, AB+, A-, B-, AB-, O- e recebe doação de O-;
  • AB- doa para AB+ e AB- e recebe doação de A-, B-, O- e AB-.

A partir daqui dá pra entender um dos vários motivos para as campanhas de doação de sangue: alguns tipos possuem pouca compatibilidade, como o O- que, mesmo sendo doador universal, só recebe de si mesmo.

Para pessoas com esse fator, torna-se extremamente importante ter um estoque à disposição e, anualmente, objetiva-se o aumento desse estoque que sempre vive no limite.

Como visto, além dos portadores de doenças congênitas, também há uma série de situações em que alguém pode precisar de uma transfusão, então é urgente e imperativo que se tenha a maior quantidade possível.

Infelizmente, mesmo com a quantidade de incentivo federal e as campanhas periódicas, a porcentagem de doadores ainda é baixa.

Você pode ler algo interessante aqui: Quais são as doenças terminais? como lidar com pacientes em fase terminal?

Quem não pode doar sangue?

Assim como os doadores, existem alguns requisitos que impedem definitiva ou temporariamente a doação de sangue. Abaixo descrevemos cada um.

Impedimentos temporários

  1. Gripe, resfriado e febre: aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas;
  2. Período gestacional;
  3. Período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariana;
  4. Amamentação: até 12 meses após o parto;
  5. Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;
  6. Tatuagem e/ou piercing nos últimos 12 meses (piercing em cavidade oral ou região genital impedem a doação);
  7. Extração dentária: 72 horas;
  8. Apendicite, hérnia, amigdalectomia, varizes: 3 meses;
  9. Colecistectomia, histerectomia, nefrectomia, redução de fraturas, politraumatismos sem seqüelas graves, tireoidectomia, colectomia: 6 meses;
  10. Transfusão de sangue: 1 ano;
  11. Vacinação: o tempo de impedimento varia de acordo com o tipo de vacina;
  12. Exames/procedimentos com utilização de endoscópio nos últimos 6 meses;
  13. Ter sido exposto a situações de risco acrescido para infecções sexualmente transmissíveis (aguardar 12 meses após a exposição).

Impedimentos definitivos

  1. Ter passado por um quadro de hepatite após os 11 anos de idade;
  2. Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas ao vírus HTLV I e II e Doenças de Chagas; 
  3. Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  4. Malária.

Você pode ler um artigo interessante aqui: Como ser doador de órgãos no Brasil: confira um passo a passo completo.

Pessoas segurando um coração.

Quais são os procedimentos para a doação de sangue?

Na seção sobre os requisitos para doação de sangue você pode ter se identificado com todos eles, sendo um possível doador, ou mesmo com uma boa parte.

Nesse caso, ao constatar isso, vá ao hemocentro ou centro de doação mais próximo. Você passará por algumas etapas, são elas!

Triagem

A primeira etapa que você irá passar é a triagem, que anota e cataloga os seus documentos e informações. 

Após isso é feita uma pequena bateria de “exames” para verificar a pressão arterial, frequência cardíaca e possibilidade de anemia (dosagem de hemoglobina).

Por isso é que se recomenda descansar bem antes de ir doar e não comer nada pesado ou gorduroso, pois o risco de desmaio pós-coleta é um pouco alto.

Entrevista clínica

O candidato passa, então, para a entrevista clínica, na qual, os questionamentos terão o objetivo de rever todos os seus hábitos de saúde, parceiros e hábitos sexuais, viagens e antecedentes médicos.

Essa etapa já passou por algumas mudanças nos últimos anos, onde era comum barrar homens de orientação sexual homoafetiva e com atividade sexual constante. Não apenas homens, mas o público adepto da homoafetividade de forma geral.

Sem nenhum embasamento científico real, apenas pelo julgamento prévio.

Obviamente, alguns questionamentos não conseguimos responder com total certeza, como se há antecedentes de doenças cardíacas ou de transmissão hereditária na família, essa é uma questão muito subjetiva e que raramente temos controle sobre.

Mas, ainda assim, a doação não é recusada, uma vez que o sangue será testado.

Doação e análise de sangue

Essa é a terceira e última etapa, quando o doador faz a coleta/doação e o seu sangue passa por uma análise a fim de verificar os seguintes elementos:

  • Hepatite B e C;
  • Sífilis;
  • Doença de Chagas;
  • AIDS;
  • Pesquisa para HTLV I/II (vírus associado à leucemia/linfoma de células T);
  • Tipagem sanguínea ABO/Rh;
  • Pesquisa de Anticorpos Irregulares;
  • Pesquisa de Hemoglobinopatias no sangue doado.

Essa verificação profunda é para assegurar que o recebedor da doação não tenha qualquer tipo de problema que faça o seu corpo rejeitar ou desenvolver alguma doença.

Se você está preocupado com alguns questionamentos populares sobre doação de sangue, fique tranquilo.

Tudo é feito num ambiente controlado e de higiene máxima, então nem você, nem o recebedor, passarão por situações assustadoras.

Doar sangue é um ato que não traz prejuízos ao seu corpo, desde que cumpridos os requisitos vistos em seções mais acima e que você não possua nenhuma doença que não consiga lidar com a perda de sangue.

Anemia é uma delas, e costuma ser uma doença que tem seus sintomas confundidos com outras doenças comuns ou sintomas de exaustão, tornando difícil o diagnóstico.

Então, considerando a importância envolvida em todas as etapas da doação, seja extremamente honesto com o profissional que estiver te atendendo, não hesite em mostrar suas inseguranças e dúvidas para que tudo seja feito de forma transparente.

Leia algo interessante aqui: Não dê sorte para o azar: fuja da morte acidental!

Salvando até quatro vidas: como o sangue pode ser usado

As propriedades do sangue podem ser divididas em quatro principais, por isso é que se diz que um único doador pode salvar até quatro vidas, já que o recebedor pode precisar de um único elemento específico.

Ele pode ser:

  • Hemácias (concentrado de glóbulos vermelhos): para os tipos de anemia que comprometem o transporte de oxigênio;
  • Concentrado de plaquetas: hemorragias graves que podem acontecer pela deficiência de plaquetas;
  • Plasma fresco congelado: pacientes que tenham dificuldade nos processos de coagulação ou que necessitem de derivados do plasma;
  • Crioprecipitado: Hipofibrinogenia, disfibrinogenia, deficiência do Fator XIII.

Você pode ter uma leitura interessante aqui: Como os louvores de despedida podem ajudar durante o luto.

Conclusão

Acreditamos que o mundo já é complexo o suficiente sem que pensemos muito nisso, mas algumas coisas podem torná-lo melhor e mais entendível. Uma delas é fazer o bem.

Diariamente, pessoas passam por problemas que nem conseguimos compreender e muitos deles podem ser evitados com ações simples e rápidas, ou mesmo com hábitos benéficos para todos.

A doação de sangue se enquadra aqui: milhares de pessoas precisam disso diariamente, ou com periodicidade, mas têm esse direito negado pelo simples fato da maioria não se importar.

E mesmo que se importem, é preciso levantar e agir.

O mundo não vai mudar sozinho e menos ainda com teorias sem prática. Então, quando demonstramos nos importar com a sociedade em que vivemos, devemos mexer nosso corpo em prol dela.

E, vamos combinar: doar sangue não é nenhuma dificuldade, uma picadinha durante alguns minutos e você já pode salvar quatro vidas.

Imagine isso durante anos, com a frequência que se adequa a você? São dezenas de vidas beneficiadas por alguns minutos do seu dia que você dedicou a melhorar a sociedade.

Pense muito bem nisso, doar sangue salva vidas.

Você pode ler mais conteúdos como esse no nosso site e entender de vários outros assuntos. Se curtiu, dê uma olhada no que mais temos a dizer para você, são muitos conteúdos diferentes e cada um mais interessante que o outro.

Deixe um comentário

Proteja sua família das altos custos com funerais

Plano Funerário a partir de R$85 mensais

Ao clicar em “Quero mais informações”, você confirma que seus dados estão corretos e concorda com a Política de Privacidade.